Movimento em prol da permanência do PSM conta com assinaturas de mais de 9 mil parauapebenses

Na manhã desta quinta-feira (27), representantes do Conselho Municipal de Saúde e sociedade civil com auxilio da imprensa local, realizaram uma manifestação com o fim da permanência do Pronto Socorro Municipal nas dependências do Hospital Municipal de Parauapebas. A decisão da retirada do Pronto Socorro para a UPA do bairro Cidade Jardim partiu da gestão atual da saúde alegando contensão de gastos. Segundo a representante do Conselho Municipal de Saúde, Leonice de Oliveira este diálogo vem sendo feito desde 2013, no entanto o governo não deu atenção. Ainda segundo a conselheira, esta contensão de gastos foi propostas pelo conselho levando em conta que havia contratos superfaturados, folha de pagamento através de plantões alterados e superfaturados, porém a gestão da saúde não atentou. Para ela, esta mudança brusca só prejudica o povo que precisará de estrutura para se deslocar para a UPA, sem contar que para o governo não fará contensão de gastos e sim aumentará o custo com ambulâncias, deslocamento de servidores e como também a estrutura da UPA que não suportará a demanda. Cerca de mais de 9 mil assinaturas através de abaixo assinado foi colhida da comunidade a fim de fazer o Juiz entender que a permanência do PSM ser o melhor para todos.

O conselho afirmou que vem ativamente em busca do melhor para o povo de Parauapebas, mas que para isso, todos têm que participar. “Pedimos a esta gestão que respeite o povo e não venha fazer todos de maneira geral pagar, pois o pronto socorro aqui no HMP é centralizado e de fácil acesso”. Concluiu Leonice. A manifestação se estendeu ao prédio do Fórum, Ministério Público e encerrou na Praça de Eventos, onde através do abaixo assinado aguardará a decisão da justiça.

Por: Marcyne Paula